segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

3 +

rememórias

o raio revela à noite
quão escura
a noite é


noite urbana clareada
nem de noite
é estrelada


minha vó na tempestade
cobria os espelhos da casa
- ó raios revelados


antigamente não sabia
muito sobre as coisas
hoje sei menos


depois da ventania dos trovões
o silêncio silencia
renévoa agora


todo entorno dissipado
dentro da nuvem
a n j o s s o m o s n ó s



quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

ultrassom

chuva que cobriu
o céu
azul
de nuvens

chuva que caiu
do mar
azul
distante

chuva que choveu
no rio
chuva se perdeu
no meio-fio

chuva que limpou
o céu azul
sem nuvens

chuva se lançou
no mar
azul
ausente

chuva que varreu
o rio
chuva que desceu
no meio fio

chuva que molhou
o meu amor
brotou
semente

chuva que regou
o meu jardim
floriu

choveu
você em mim
floriu
você
choveu em mim ...
choveu

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

مكتوب

resistência reticente

queria tornar o tempo mais lento
mais raro
mais caro
queria tornar o verso o entorno
queria poder domar o tempo
entre esse momento e o outro
mas não posso
o tempo
passa correndo
um vento
meus cabelos embaraçados
idéias loucas
meu sumiço passa por isso
e tanta coisa mais que aconteceu
que deu saudades
daquela tarde céu azul anil

o tempo parece mais breve
leve apenas
a impressão do céu
as nuvens parecem mais altas
não tem problema não
não vai chover agora
mesmo assim
escrevo uma carta
uma correspondência
transfiro arquivos
pelo ar
escasso
tusso
fumo
caminho debaixo da chuva
para sentir melhor
o frio
esqueço
qual o começo o meio o fim
o que importa
não diga nada
pense apenas a distância
é mesmo aqui ou lá ou si
distância a gente não vê
sente
ela aparece do nada
e se consagra
me abraça forte
mesmo que de longe
e o tempo não resistirá

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Des terres brûlées



Ne Me Quitte Pas
Ne me quitte pas, Il faut oublier,
tout peut s'oublier qui s'enfuit deja.
Oublier le temps des malentendus
et le temps perdu a savoir comment.
Oublier ces heures qui tuaient parfois a coups de pourquoi
le coeur du bonheur
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas

Moi je t'offrirai, des perles de pluie venues de pays
ou il ne pleut pas
Je creusrai la terre jusqu'apres ma mort
pour couvrir ton corps d'or et de lumiere
Je f'rai un domain ou l'amour sera roi
ou l'amour sera loi ou tu sera reine.
Ne me quitte pas
Ne quitte pas

Ne me quitte pas Je t'inventerai
Des mots insensés que tu comprendras
Je te parlerai De ces amants-là
Qui ont vue deux fois Leurs coeurs s'embraser
Je te racontrain L'histoire de ce roi
Mort de n'avoir pas Pu te rencontrer
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas

On a vu souvent Rejaillir le feu
De l'ancien volcan
Qu'on croyait trop vieux Il est paraît-il
Des terres brûlées Donnant plus de blé Qu'un meilleur avril
Et quand vient le soir Pour qu'un ciel flamboie
Le rouge et le noir Ne s'épousent-ils pas
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas Je ne vais plus pleurer
Je ne vais plus parler Je me cacherai là
A te regarder Danser et sourire
Et à t'écouter Chanter et puis rire
Laisse-moi devenir L'ombre de ton ombre
L'ombre de ta main L'ombre de ton chien
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas
Ne me quitte pas

Composição: Jacques Brel

domingo, 9 de janeiro de 2011

bom dia!

acorda baby
já é tarde
olha o céu azul
da cor
deste domingo

acorda baby
que o dia está lindo
que o tempo
anda lento
e o sol
está sorrindo

acorda baby
já passou da hora
de estar dormindo

acorda ...

eu já vou indo ...

sábado, 8 de janeiro de 2011

só hoje existe

o mundo é mínimo
universo que se multiplica
nos fragmentos cíclicos
dos signos
falsos de significados
afetos percorridos
caminhos tortos
de encontros
estradas de despedidas
por que tudo vem e vai e volta e quando?

o mundo é mínimo
universo que se aplica
nos fragmentos cósmicos
dos astros
nas idas e vindas
o rosto obscuro de meu pai
no meio da multidão
o sonho remunerado
a distância do afastamento
o fantasma dos vivos
sem antes nem depois
só hoje existe